Referências

  • ABBAS, A. K. ; LICHTMAN, A. H. & PILLAI, S. Imunologia Celular e molecular. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
  • ALEXANDRE, L. B. S. P.; DAVID, R. Vacinas: orientações práticas. 3. ed. São Paulo: Martinari, 2011.
  • ARAÚJO, T. M. E.; CARVALHO,P. M. G.; VIEIRA, R. D. F Análise dos eventos adversos pós-vacinais ocorridos em Teresina  Rev. bras. enferm. v.60 n.4 Brasília jul./ago,2007. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000400016 Acesso em: 21/03/2012.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza – Ano 2013. Brasília, Abril, 2013.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico da Introdução da Vacina Pentavalente – Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae tipo b (conjugada). Brasília, Maio, 2012.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico da Introdução da Vacina Inativada Poliomielite (VIP). Brasília, Maio, 2012.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico da Introdução da Vacina Meningocócica C (Conjugada) no Calendário de Vacinação da Criança. Brasília, Julho, 2010.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual dos centros de referência para imunobiológicos especiais /Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. PORTARIA Nº 33, de 14 de Julho de 2005. Inclui doenças à relação de notificação compulsória, define agravos de notificação imediata e a relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados pelos Laboratórios de Referência Nacional ou Regional. 2005.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação: cartilha para trabalhadores de sala de vacinação. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações 30 anos. Brasília – DF: Ministério da Saúde, 2003.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Normas de Vacinação. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Capacitação de pessoal em sala de vacinação – manual do monitor. 2ª edição rev. e ampli. – Brasília: Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde, 2000.
  • CAETANO, R. Paradigmas e trajetórias do processo de inovação tecnológica em saúde. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 8(2): 71-94, 1998.
  • CARVALHO, A. A. Indicadores de Qualidade de Sites Educativos. Cadernos SACAUSEF, Numero 2, Ministério da Educação, 2006. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5922/1/Indicadores%2520de%2520Qualidade%2520de%2520Sites%2520-SACAUSEF%2520-AAC.pdf Acesso em: 17/11/2013.
  • COSTA, R. M. E. M. da; MARINS, V. Aula 1 – Design didático em ambientes virtuais. Pós-graduação em Planejamento, Implementação e gestão de Educação a Distância (LANTE). Disponível em: http://pigead.lanteuff.org/pluginfile.php/26911/mod_resource/content/3/DesignDid%C3%A1tico.pdf Acessado em: 25/07/2013.
  • COSTA, R. M. E. M. da; MARINS, V. Aula 2 – Interfaces. Pós-graduação em Planejamento, Implementação e gestão de Educação a Distância (LANTE). Disponível em: http://pigead.lanteuff.org/pluginfile.php/26921/mod_resource/content/4/InterfacesN.pdf Acessado em: 01/08/2013.
  • FARHAT, C. K, WECKX, L. Y., CARVALHO, L. H. F., SUCCI, R. C. M. Imunizações: fundamentos e prática. 5ª ed. São Paulo: Atheneu; 2007.
  • FIGUEIREDO N. M. A. (organização). Fundamentos, conceitos, situações e exercícios. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora; 2005.
  • FONSECA, M. M. L; et. al. Inovação tecnológica no ensino da Semiotécnica e Semiologia em enfermagem neonatal: do desenvolvimento à utilização de um Software educacional. Revista Texto contexto. Florianópolis. V.18, n.3, jul/set.2009.
  • FORTE, W. C. N. Imunologia: do básico ao aplicado. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. 364 p.
  • GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de fisiologia médica. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
  • INFOWESTER. O que é wi-fi? Disponível em: http://www.infowester.com/wifi.php Acesso em: 23/10/2013.
  • LOUREIRO, L. H. Ensino de gerência em saúde coletiva e a educação permanente dos profissionais da ESF: o uso do software educativo. Volta Redonda: UniFOA, 2010. Dissertação (Mestrado Profissional) – Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA. Pós-graduação em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente, 2010.
  • MALAGUTTI, W. (Organizador). Imunização, imunologia e vacinas. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.
  • MARTINS, P. A. F. & ALVIM, N. A. T. Plano de Cuidados Compartilhado: convergência da proposta educativa problematizadora com a teoria do cuidado cultural de enfermagem. Revista Brasileira Enfermagem. Brasília 2012 mar-abr; 65(2): 368-73.
  • MARTINS, R. M.; MAIA, M. L. S. Eventos adversos pós-vacinais e resposta social. História, Ciência e Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 2003; 10(2):807-25.  
  • MURPHY, K.; TRAVERS, P.; WALPORT, M. Imunobiologia de Janeway. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 885p
  • ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICA DA SAÚDE. Módulos de princípios de epidemiologia para o controle de enfermidades. Módulo 2: Saúde e doença na população.  Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; Ministério da Saúde, 2010.
  • PARHAM, P. O Sistema imune. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.
  • PEAKMAN, M. & VERGANI D. Imunologia: básica e clínica – Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.
  • ROITT, I; MALE, D; BROSTOFF, J. Imunologia. 6. ed. São Paulo: Manole, 2003.
  • SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Saúde. Coordenadoria de Controle de Doenças. Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”. Divisão de Imunização. Cartilha de orientações para os registros de imunobiológicos em serviços de saúde– 2 ed. rev. e ampl. – São Paulo: CVE, 2006.
  • SILVA, L. J. da; MOURA, M. M de; KFOURI, R. de A. Curso teórico-prático em Imunizações. Sociedade Brasileira de Imunizações – SBIM, 2012.
  • SMELTZER, S. C.; BARE, B. G.; HINKLE, J. L.; CHEEVER, K. H. Brunner e Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 13 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
  • TOSCANO, C. KOSIM, L. Cartilha de vacinas: para quem quer mesmo saber das coisas. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2003.
  • VALSECCHI, E. A. S. S., & NOGUEIRA, M. S. Estratégias de Ensino utilizadas na disciplina de fundamentos de enfermagem. Revista Ciência, cuidado e saúde. Maringá, v.5 (supl):113-118, dez. 2006.