Eventos adversos pós-vacinação contra raiva humana

Objetivando reduzir tanto os casos de raiva nos animais quanto nos seres humanos, o programa de profilaxia da raiva no Brasil foi implantado em meados da década de 70. A vacina contra a raiva em uso desde 2002 é a de cultivo celular. Toda vacina contra raiva de uso humano é constituída por suspensão de vírus rábicos inativados e purificados.

O esquema de vacinação adotado contra a raiva dependerá de alguns critérios, como espécie do animal agressor, localização e profundidade da lesão, estado de saúde do animal e possibilidade de observação do mesmo.

Cabe ressaltar, que não há contraindicação para a vacina antirrábica devido à gravidade da doença que apresenta letalidade igual a 100%.

 

 Eventos adversos pós-vacinação contra raiva humana

 raiva

 

Referência:

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica.  Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação – Brasília: Ministério da Saúde, 2008.