Eventos adversos pós-vacinação da vacina contra influenza

A vacina contra influenza (gripe) tem um perfil de segurança excelente sendo utilizada no Brasil em estratégia de campanha anual.  Ocorre desta forma devido às mudanças das características dos vírus influenza decorrente da adversidade antigênica e genômica a cada ano e da efemeridade da proteção. É indicada para a população com 60 anos ou mais, crianças acima de 6 meses a 2 incompletos, gestante e puérperas, trabalhadores de saúde, povos indígenas, população privada de liberdade e pessoas portadoras de doenças crônicas de acordo com as indicações do CRIE. A vacina é inativada, preparada com vírus mortos, fracionados ou em subunidades, em cultura de ovo de galinha e, contém timerosal (mertiolate) e antibióticos, não podendo, portanto, causar influenza (gripe). Desta forma, quadros respiratórios simultâneo pode ocorrer sem relação causa-efeito com a vacina (BRASIL, 2008; BRASIL, 2013).

 

Eventos adversos pós-vacinação da vacina contra influenza

influenza_

Referências:

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica.  Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação – Brasília: Ministério da Saúde, 2008.
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza – Ano 2013. Brasília, Abril, 2013.