Vacina dT/DT – Dupla Adulto/Infantil

COMPOSIÇÃO

Toxoide diftérico e toxoide tetânico.

    •  Tipo infantil – DT: mesma concentração de toxótide diftérico e tetânico.
    • Tipo adulto – dT: menor quantidade de toxoide diftérico.
APRESENTAÇÃO

Forma líquida, em ampola de dose única ou em frasco multi-doses.

ESQUEMA
dT – Dupla adulto:
    • Indivíduos a partir de 7 (sete) anos, com esquema incompleto para difteria e tétano, completar esquema com um total de 3 (três) doses, considerando as doses anteriores, com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias.
    • Indivíduos sem comprovação vacinal para difteria e tétano, administrar 3 (três) doses com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias.
    • Mulheres grávidas: administrar a vacina considerando o histórico vacinal para difteria e tétano.
      • Gestante com comprovação vacinal de 3 (três) doses de vacina com componente tetânico, sendo a última dose feita há mais de 5 (cinco) anos, administrar 1 (um) reforço.
      • Esta vacina pode ser administrada a partir da comprovação da gravidez, em qualquer período gestacional.
      • A última dose ou reforço deve ser administrada pelo menos 20 dias antes da data provável do parto.
REFORÇO
    • Indivíduos a partir de 7 (sete) anos de idade, com esquema vacinal completo 3 (três) doses para difteria e tétano, administrar 1 (uma) dose a cada 10 anos.
    • Em todos os casos após completar o esquema, administrar reforço a cada 10 anos.
    • Em casos de ferimentos graves, comunicantes de casos de difteria ou gestação, antecipar a dose quando a última foi administrada há mais de 5 (cinco) anos.

 

DOSE E VOLUME:

0,5 ml

OBS. Sempre considerar as doses administradas anteriormente da tríplice bacteriana ou dupla bacteriana para completar o esquema vacinal.

DT – Dupla infantil:
    • Crianças até 6 anos e 11 meses, que tenham apresentado encefalopatia nos primeiros 7 dias após a vacinação com a DTP. É também uma opção quando ocorrem convulsões nas primeiras 72 horas após a vacinação com a DTP ou episódio hipotônico-hiporresponsivo nas primeiras 48 horas após a vacinação com DTP.

 

CONSERVAÇÃO

 Entre +2°C e +8° C. Não podem ser congeladas, pois o congelamento provoca a desnaturação proteica e a desagregação do adjuvante (com formação de grumos) com consequente perda de potência e aumento dos eventos adversos locais (dor, rubor e calor).

OBS. Se atingir 0°C, não utilizar a vacina e realizar procedimentos de rotina.

VACINAÇÃO DA GESTANTE

Considera-se que toda mulher vacinada com pelo menos 2 doses de vacinas DTP, DT ou dT, com intervalo mínimo de 1 mês entre as doses (antes ou durante a gravidez) terá seu RN protegido contra o tétano neonatal nos 2 primeiros meses de vida, desde que a última dose tenha sido aplicada há menos de 5 anos.

Essa proteção só é possível quando a segunda dose for administrada até 20 dias antes do parto (tempo mínimo necessário para que haja produção de Ac suficientes para transferir para o feto). A 3ª dose deve ser administrada 2 meses após a 2ª dose. Quando a gestante completou seu esquema (última dose ou último reforço) há mais de 5 anos, administrar um reforço da dT.

VIA DE ADMINISTRAÇÃO

 IM profunda.

    • Crianças com menos de 2 anos: músculo vasto lateral da coxa.
    • Maiores de 2 anos: músculo deltoide, na face externa superior do braço.

 

ADMINISTRAÇÃO
  • O frasco multi-doses de DTP, uma vez aberto, pode ser usado até o vencimento, desde que mantido sob temperatura adequada e adotados cuidados que evitem sua contaminação.
  • Antes de aspirar cada dose, fazer um movimento rotativo com o frasco da vacina;
  • Não usar compressa quente no local em que a vacina foi administrada.